quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

É DEZEMBRO GENTE!!!


Os dezembros possuem um aroma almiscarado de saudade com esperança.
Dezembro é a encruzilhada, princípio e fim ao mesmo tempo, o ano corrente se despede enquanto o ano novo vem venturoso e repleto de possibilidades.

Dezembro é sempre mágico, é o encontro ímpar de passado e futuro, é a hora da reflexão e dos desejos, de enxugar as lágrimas do que não volta mais, e do sorriso de expectativa.
Dezembro é Natal, é beleza, é o momento da redenção, da Fé, do perdão, de lembrar dos esquecidos, dos desesperados, de enxergar além do próprio umbigo.

Dezembro é o mês de sermos mais humanos e estarmos mais sensíveis.
Dezembro é exceção, mas deveria ser rotina, é exemplo e deveria ser seguido.
Dezembro é o mês em que nos tornamos melhores, seja para compensarmos o que não fomos o ano todo, seja para começarmos a mudar para o ano que chega.

Dezembro é festa.Reveillon, pedidos escritos a lápis em papéis virgens e raramente lembrados depois, flores jogadas ao mar com refluxo ansiosamente aguardado e, crenças repentinas e fugazes que geralmente se dissipam com a fumaça dos fogos.

É promessa de mudança, é chama acesa! É tempo de saudade dos que não estão mais conosco e abrilhantavam nossos dias ou mesmo eram a razão principal deles.
É hora de repensar os erros e não mais comete-los, é o
momento de repassar os acertos e aprimorá-los.

Dezembro é o prelúdio do futuro, é a chave do recomeço, é a estação final do
passado, a conexão com o futuro, o momento de arquivar o que passou
de forma que possa ser facilmente consultado depois.
Dezembro é extremo,vé decisivo, é palco de todas as recordações,
é mais um álbum que se fecha.

Dezembro é quando eu me lembro mais da minha impermanência e de que sou só um grão de areia oscilando ao sabor das dunas intermitentes do destino que nunca cansam de se modificar. BOM DEZEMBRO PARA VOCÊS!!!

ARNALDO LEÃO...

Leia é importante!!!

A geração da rapidinha chegou. Foto bonita no Facebook, entra na página, vasculha o perfil, descobre quem é pai-mãe-melhor amigo-cachorro-casa de praia-onde passou o último verão-e quem foi a última namorada. Adiciona como amigo. Aceitou. Manda Inbox. Respondeu. 10 frases e passa o WhatsApp. -Oi, oi; por aqui é bem melhor. -E aí, o que vai fazer no fds? -Vou na festa e vc? -Também. -Então nos encontramos lá. Alguns dias de ansiedade e chega a hora. Será que ele vai? Com que roupa eu vou? Batom vermelho? Acho que não rola amiga. Vai de nude, salto e saia. -Oi, oi; prazer, prazer. Beijos!!!! Beijos… Beijos sem muita conversa. Mas também, porque beijos precisam ser quase imediatos? Daí rola aqueles olhares sem muita profundidade. Vontade sem muito entusiamo. Mas o que podemos esperar de uma relação tão sem “relação”? Mas está bom, melhor que nada. Vida de solteira anda meio difícil não é mesmo? -Deixa que eu te levo em casa então.

No outro dia de manhã tem WhatsApp. Quem manda primeiro? Quem está mais interessado? Não, quem é mais maduro. Um oi e um tchau. Uma noite, duas noites… Uma semana e uma mudança de lua são suficientes para acabar. A regra das relações rapidinhas segue a mesma constância: acho que não era para ser. É alto demais, é loiro, não trabalha, tem poucos seguidores, vive na balada, gosta de comer milho na frente dos outros e tem uma família meio torta. “Nada”, isso é o que significa as características que usamos para terminar alguma coisa que mal teve a chance de começar. A gente corta as asas de quem nem aprendeu a voar ainda. As pessoas perderam o olhar longo, a jogada de cabelo… Perderam a emoção de um sms escrito “estou com saudades”. Será que ninguém mais tem vontade de olhar as estrelas sem pensar em mais nada além daquele momento? Com aquela pessoa? Será que eu estou sozinha nesse mundo super lotado de pessoas sempre online?

Parece que nada mais tem graça, parece que tudo anda meio vazio. Tudo é tão igual. A gente está perdendo a sutileza de saber o que significa se entregar, merecer, conquistar, estar, viver… Se perceber e se doar. Se amar e admirar a cor dos olhos do outro. A textura do cabelo, os ossinhos da mão e o jeito de andar rápido quando está atrasado. Sabe aquela voltinha na coluna que ninguém tem igual a ninguém? Ninguém mais repara nela. A gente existe por likes. Viaja por comentários, e vai para academia pelo espelho. A legging mais confortável perdeu espaço para a mais bonita. Essa é a lógica das relações de hoje: o que faz bem foi deixado de lado pela triste beleza do que faz mal. Eu tenho medo de pensar onde isso vai parar. Em um mundo onde se compra casamentos, seguidores, silicones, bocas carnudas e o perfect365 é de graça, eu fico pensando: será que um dia alguém ainda vai reparar quantos tipos de sorriso eu tenho?

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Parabéns Prefeita Diana, Parabéns Capitão Poço, agora somos Selo Unicef!!!

Prefeita Diana Belo recebeu a certificação internacional do Selo Unicef município aprovado edição 2013/2016.Obrigada a todos que fizeram parte deste processo, e a luta na defesa dos direitos da criança e do adolescente continua, vamos fortalecer cada vez mais as acoes em garantia aos direitos das Crianças e dos adolescentes para que todos vejam o nosso Municipio com bons olhos. O Município de Capitão Poço foi aprovado pelo Unicef graças o apoio incondicional da Prefeita Diana Belo e de todas as secretarias municipais e Articuladora do Selo Sra. Liduina e CMDCA, e demais parceiros da sociedade civil, assim poderemos ter uma sociedade mais justa sem preconceito.




















Sobre o 13° Salário!!!

Prazo para pagar 13º termina nesta 4ª; maioria pretende pagar dívidas

Especialistas recomendam cautela para evitar endividamento.
Pesquisas apontam que poucos consumidores pretendem poupar a quantia.

Karina TrevizanDo G1, em São Paulo
Termina nesta quarta-feira (30) o prazo para que as empresas paguem aos seus funcionários o adiantamento da primeira parcela do 13º salário. Já a segunda parte do benefício deve ser paga até o dia 20 de dezembro. Em ano de crise e com a maioria dos consumidores pretendendo usar o valor para pagar dívidas, os especialistas recomendam cautela.

Pesquisas apontam que, em 2016, a maioria dos consumidores pretende utilizar o 13º para pagar dívidas. Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), 81% das pessoas que receberão o benefício têm o objetivo de usá-lo para esse fim – um aumento de 9,46% em relação ao ano passado. Já a Boa Vista SCPC aponta que 56% dos consumidores pretendem usar o 13º para quitar dívidas pendentes.O educador financeiro Reinaldo Domingos, da DSOP, diz que é preciso prestar atenção para não esperar que o 13º vá solucionar uma situação de desequilíbrio financeiro. “Usar o 13º salário para isso (quitar dívidas ou amenizá-las) é combater apenas os efeitos do endividamento, e não a causa”, afirma.

Domingos alerta que aguardar o 13º para quitar dívidas atrasadas pode mascarar a verdadeira razão do orçamento familiar apertado. “O pagamento das dívidas contraídas precisa ser feito com o próprio salário, e se houver dificuldades é necessária uma redução de gastos”, diz.
Já a especialista em educação financeira Márcia Tolotti, da GC-5 Soluções Corporativas, afirma que o 13º pode ser uma oportunidade para quem precisa “sair do sufoco e pagar contas atrasadas”.
Ela recomenda ainda a reserva de uma parte do valor para “antecipar o pagamento de contas como IPVA e IPTU para garantir descontos”. A Boa Vista SCPC aponta que 56% dos consumidores vão reservar o 13º para as contas de início de ano.
Inadimplência cresceu quase 100% em Ji-Paraná (Foto: Pâmela Fernandes/G1)Maioria dos consumidores pretendem usar 13º para pagar dívidas atrasadas, dizem pesquisas (Foto: Pâmela Fernandes/G1)
Minoria dos consumidores pretende guardar o 13º
Os especialistas afirmam que, para quem não tem o costume de poupar dinheiro, mesmo que em menor quantidade, o 13º pode ser uma oportunidade para “dar o 1º passo”. “10% do seu dinheiro extra já é uma ótima forma de começar sua poupança”, recomenda Márcia Tolotti.

“Para quem já tem perfil investidor, o 13º é uma ótima oportunidade para incrementar o investimento”, complementa Domingos. “50% pode ser destinado para alguma aplicação que já possua e os outros 50% pode servir para planejar um salto em direção à sua independência financeira, investindo, por exemplo, em previdência privada.”
Quem tem direito
Têm direito ao 13º salário todos os trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada, urbano ou rural, avulso e doméstico, além dos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

Os trabalhadores que possuem menos de um ano na empresa também têm direito ao 13º salário. Nesse caso, o pagamento será proporcional aos meses em que tenham trabalhado por mais de 15 dias.
Os trabalhadores domésticos também devem receber o 13º. Na segunda parcela, no pagamento dos outros 50% do salário, são acrescidas as médias das horas extras trabalhadas.

Corrupção!!!

Moro volta a ouvir testemunhas em ações de Cunha e Lula na Lava Jato

Juiz Sérgio Moro vai ouvir testemunhas de acusação em ação contra Lula.
No processo de Cunha, o ex-presidente deverá depor no fim da tarde.

Samuel NunesDo G1 PR
O juiz federal Sérgio Moro deve ouvir testemunhas durante toda esta quarta-feira (30), nas ações penais que têm como alvos principais o ex-deputado federal Eduardo Cunha e o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois respondem a processos que foram derivados de investigações da Operação Lava Jato.
Pela manhã, a partir das 9h30, Moro deverá ouvir quatro testemunhas de acusação no processo contra Lula. Entre elas, estão o pecuarista José Carlos Bumlai e o empresário Armando Dagre Magri. Bumlai já foi condenado na Lava Jato por ter feito um empréstimo que, segundo ele mesmo, foi repassado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo as investigações, o tal empréstimo era um pagamento de propina por parte do Grupo Schahin à legenda, devido a um contrato fechado com a Petrobras.
Armando Dagre Magri é dono da Tallento Construtora. Em um depoimento ao Ministério Público de São Paulo, que iniciou as investigações contra Lula, ele afirmou ter visto a ex-primeira-dama Marisa Letícia em um apartamento tríplex, no Guarujá, litoral paulista. O Ministério Público Federal (MPF) diz que esse imóvel foi usado pela construtora OAS para pagar propina ao ex-presidente. Segundo a denúncia, a empreiteira também pagou a guarda de bens pessoais de Lula, no depósito de uma transportadora.
À tarde, a partir das 14h, Moro retoma a audiência do processo contra Lula para ouvir mais três testemunhas de acusação. Dessas, duas são ex-executivos da construtora OAS, que trabalhavam na empresa à época em que as supostas irregularidades teriam ocorrido.
Lula também será testemunha
Bumlai voltará a ser ouvido a partir das 17h30, no processo contra Eduardo Cunha, mas dessa vez na condição de testemunha de defesa. A ação contra o ex-deputado trata sobre o pagamento de propina devido ao contrato de exploração de petróleo no Benin, na Áfica. Segundo o MPF, Cunha também usou contas na Suíça para lavar o dinheiro.

Em seguida, Moro deverá falar com o ex-presidente Lula, que também foi arrolado pela defesa de Cunha como testemunha, assim como o presidente Michel Temer (PMDB). Esta será a primeira vez que Lula falará ao juiz Sérgio Moro. O depoimento será tomado por videoconferência. O ex-presidente estará em São Bernardo do Campo.

Informações!!!

Luto pela morte de jogadores muda cenário de Chapecó

Comerciantes e moradores espalharam faixas e laços na cor preta.
Avião com jogadores da Chapecoense caiu na Colômbia e matou 71.

Glauco AraújoDo G1, em Santa Catarina
Fachada de loja no Centro de Chapecó tem laço preto para lembrar a morte do jogadores (Foto: Glauco Araújo / G1)Fachada de loja no Centro de Chapecó lembra a morte do jogadores com o símbolo do time da cidade (Foto: Glauco Araújo / G1)
Moradores de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, colocaram faixas e laços da cor preta na fachada de suas casas e lojas na região central da cidade, nesta terça-feira (29). Atitude é resultado da comoção provocada pela queda do avião que transportava a delegação do Chapecoense, na madrugada passada, que provocou a morte de 71 pessoas e deixou outras seis feridas, na Colômbia.
Parte dos torcedores da Chapecoense permaneceram em vigília durante a madrugada em frente ao estádio Arena Condá, em Chapecó.
A maior parte dos estabelecimentos comerciais da Avenida Getúlio Dorneles Vargas, no Centro da Cidade, mesclou a decoração das vitrines com adesivos com o brasão do time nas cores originais branca e verde e também em preto e branco.
Em outros foram expostas bandeiras do clube e camisas do time em meio aos produtos expostos na vitrine. Em alguns restaurantes havia a inscrição #forçachape, que viralizou mundialmente.
Esta terça-feira foi um dia de luto e muitas pessoas também circulavam vestidas com o uniforme do Chapecoense. Houve uma caminhada de torcedores em uma onda verde pela avenida até a catedral da cidade, onde foi rezada uma missa em memória ais mortos.
Incrédulos com as mortes na Colômbia, alguns comerciantes não sabiam o que responder aos clientes e fornecedores sobre a dúvida de o luto persistir por mais tempo. "A gente recebe uma média de 300 ligações por dia e hoje [ontem] não passou de 50 ligações. Muitas delas foram de fornecedores perguntando se amanhã [hoje] funcionaria tudo normalmente", disse o empresário Marcio Milan, 45 anos, torcedor do Chapecoense.
Fachada de loja no Centro de Chapecó tem laço preto para lembrar a morte do jogadores (Foto: Glauco Araújo / G1)Fachada de loja no Centro de Chapecó tem laço preto para lembrar a morte do jogadores (Foto: Glauco Araújo / G1)
A prefeitura de Chapecó decretou luto oficial de 30 dias. As aulas da rede municipal estão suspensas por dois dias e devem ser retomadas nesta quinta (1º). O trabalho em repartições públicas será facultativo nesta quarta (30).
  •  
Fachada de loja no Centro de Chapecó tem laço preto para lembrar a morte do jogadores (Foto: Glauco Araújo / G1 )Outra loja exibe distintivo da Chapecoense e laço preto (Foto: Glauco Araújo / G1 )
Todos os eventos comemorativos de Natal e Ano Novo foram cancelados pela prefeitura.
A cidade agora vive a expectativa com a chegada dos corpos e dos sobreviventes ao município, o que deve ocorrer até o próximo fim de semana.
Fachada de loja no Centro de Chapecó tem laço preto para lembrar a morte do jogadores (Foto: Glauco Araújo / G1)Homenagem ao time da cidade em Chapecó (Foto: Glauco Araújo / G1)

Absurdo!!!

Senado conclui votação em 1º turno da PEC do teto de gastos

Senadores já haviam aprovado mais cedo texto-base da PEC no plenário.
Proposta estabelece limite para gastos da União pelos próximos 20 anos.

Gustavo GarciaDo G1, em Brasília
O plenário do Senado concluiu no início da madrugada desta quarta-feira (30) a votação, em primeiro turno, da Proposta de Emenda à Constituição 55, que estabelece um limite para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. A PEC ainda precisa ser analisada em segundo turno, previsto para 13 de dezembro.

O texto-base da proposta já havia sido aprovado na noite desta terça (29), mas, para concluir a votação, os senadores precisavam analisar três destaques (sugestões de alteração ao texto), que acabaram todos rejeitados. Um deles, por exemplo, excluía os investimentos em saúde e em educação do teto.

Por se tratar de uma proposta de mudança na Constituição, a proposta, para ir a segundo turno, precisava ser aprovada por pelo menos três quintos dos parlamentares (49 dos 81) e recebeu 61 votos (14 senadores foram contra) – saiba como cada senador votou.

Conluída a análise em primeiro turno, a PEC deverá ser analisada em segundo turno no próximo dia 13 de dezembro – no qual também precisará do apoio de, ao menos, 49 senadores.

Durante a sessão desta terça, a medida foi criticada por senadores que fazem oposição ao Palácio do Planalto. Os oposicionistas chamaram o texto de "PEC da maldade" porque, na visão deles, a proposta vai "congelar" os investimentos em saúde e educação.

Inicialmente, somente os líderes partidários encaminhariam os votos, mas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deixou que todos os senadores inscritos pudessem discursar na fase de encaminhamento.

Embora tenha sido aprovada por 61 votos a 14, a PEC recebeu menos votos que o previsto pelo líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), que previa até 65 votos favoráveis à proposta.

Regras
A proposta estabelece que, nas próximas duas décadas, as despesas da União (Executivo, Legislativo e Judiciário e seus órgãos) só poderão crescer conforme a inflação do ano anterior.

Já para o ano de 2017, o texto institui que o teto de gastos corresponderá à despesa primária – que não leva em consideração os juros da dívida pública –, corrigida em 7,2%.

Nos demais anos de vigência da medida, o teto corresponderá ao limite do ano anterior corrigido pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Pelo texto da PEC, se um poder ou órgão desrespeitar o limite de gastos sofrerá, no ano seguinte, algumas sanções, como ficar proibido de fazer concursos ou conceder reajustes.

O texto permite, por exemplo, que um poder extrapole o teto. No entanto, nessa hipótese, será necessária a compensação do gasto excedente por outro poder.

Inicialmente, os investimentos em saúde e em educação entrariam no teto já em 2017, mas, diante da repercussão negativa da medida e da pressão de parlamentares da base, o governo concordou que essas duas áreas só se enquadrarão nas regras a partir de 2018.

Ficam de fora do alcance da proposta as transferências constitucionais a estados e municípios, além do Distrito Federal, os créditos extraordinários, as complementações do Fundeb, gastos da Justiça Eleitoral com eleições, e as despesas de capitalização de estatais não dependentes.

A PEC permite que, a partir do décimo ano de vigência do teto, o presidente da República envie um projeto de lei para mudar a forma de correção do limite.

Tentativas de mudanças
Contrários ao texto, senadores da oposição apresentaram emendas (sugestões de alteração) à proposta para que a população fosse consultada para a PEC passar a valer. Eles também queriam que o pagamento dos juros da dívida pública também respeitasse limites.

A oposição também tentou retirar do teto os investimentos nas áreas de saúde e educação, mas, em menor número, não conseguiu promover mudanças na proposta. Todas emendas foram rejeitadas.

Governistas trabalharam para derrubar quaisquer tentativas de alterações ao texto, pois eventuais modificações forçariam o reexame da PEC pela Câmara. O Planalto quer o texto promulgado pelo Congresso ainda neste ano.

  •  


Lados opostos
Relator da proposta, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), defende em seu parecer que, sem a imposição do teto, a dívida da União entrará em uma trajetória insustentável.

"O resultado final [sem o limite de despesas] é uma forte aceleração da inflação ou moratória, com consequências sobre o crescimento e a economia", diz.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), por sua vez, critica a previsão de a proposta vigorar por 20 anos. "É um arrocho por muito tempo", argumenta.

Sessão tumultuada
Antes do início da análise da PEC, Renan Calheiros suspendeu a sessão por cinco minutos para que dois manifestantes fossem retirados do plenário.

Aos gritos, Gláucia Moreli, que disse ser presidente da Confederação das Mulheres do Brasil, protestou contra o texto.

Ela foi retirada por seguranças, mas recebeu apoio de parlamentares petistas, como Lindbergh Farias (RJ), Regina Sousa (PI) e Paulo Paim (RS).

"Nós queremos as verbas da saúde, da educação, o orçamento da União ano passado foi destinado a banqueiros e só 5% para a saúde. Como vai ficar quem precisa de saúde e educação públicas? Ainda mais agora com 13 milhões de desempregados", disse Gláucia a jornalistas após ser retirada do plenário.

Do lado de fora, manifestantes contrários à PEC entraram em confronto com a Polícia Militar. Enquanto isso, Eunício Oliveira (PMDB-CE), relator da proposta, lia seu parecer favorável à aprovação do texto.

Ao longo da sessão, vários senadores da oposição pediram a Renan que liberasse o acesso às galerias do Senado. Eles queriam que representantes de movimentos sociais pudessem acompanhar a votação.

No entanto, Renan manteve as galerias fechadas ao público, alegando que a presença dos manifestantes poderia provocar tumultos no plenário.